Todo material publicado no blog Literatura2pontos deve ser compartilhado.

[PROSA_Oficina de textos_UFMG 2011] Salinha para resolução de questões abertas de Literatura (vestibular UFMG 2011) . Informações: emaildoaloisio@yahoo.com.br

14 de maio de 2006

Missa do galo (variações sobre o mesmo tema)_Roteiro de leitura

Roteiro de leitura: Missa do Galo (variações sobre o mesmo tema)


Intertextualidade:

  1. epígrafe: uma escrita introdutória de outra
  2. citação: retomada explícita de um fragmento de texto no corpo de outro texto
  3. referência e alusão: referência a personagens, autores, títulos de obras; referência sutil, subentendida, apenas uma leve menção a outro texto ou a um componente seu
  4. paráfrase: recuperação de outro texto retomando seus processos de construção em seus efeitos de sentido
  5. paródia: forma de apropriação que, ao invés de endossar o modelo retomado, rompe com ele, sutil ou abertamente
  6. pastiche: quando se assume e os traços de um estilo, quando o texto recupera de forma séria elementos de um gênero textual, e assume suas características

1)Missa do galo (Machado de Assis)
Foco narrativo: 1ª pessoa / Narrador: Nogueira → narrativa construída através da memória→ o distanciamento do fato favorece a idealização e, consequentemente, a ambigüidade de interpretação

Apresentação das idas de Menezes ao “teatro” (eufemismo) e de Conceição como “a santa”

Referência e alusão: Balzac, Dumas, Os três mosqueteiros

Criação de uma atmosfera de sedução: a conversa baixa, a penumbra, rostos e corpos próximos, detalhamento dos gestos de D.Conceição, silêncios e insistência em manter o colóquio

“Há impressões dessa noite que me aparecem truncadas e confusas. Contradigo-me, atrapalho-me. Uma das que ainda tenho frescas é que, em certa ocasião, ela, que era apenas simpática, ficou linda, ficou lindíssima.”

Nogueira fica completamente seduzido pela figura de D.Conceição a ponto até de esquecer da missa do galo (ambigüidade de sentimentos).

No dia seguinte, a figura de D.Conceição nada fazia lembrar a conversação da véspera. Nogueira voltara para Mangaratiba e, quando voltara, Menezes já havia falecido [apoplexia=derrame], e D.Conceição casado com o escrevente juramentado [quem registra contas comerciais e documentos] do marido (ironia)

2) Missa do galo (Nélida Piñon)
· Foco narrativo: 1ª pessoa / Narrador: Menezes (Chiquinho, marido de D.Conceição)
· O conto focaliza os antecedentes e os momentos próximos ao desfecho do conto de Machado
· Epígrafe de Quincas Borba: hedonismo, valorização dos prazeres carnais
· “Sou o primeiro a aceitar que muito excedi-me no trato com as moçoilas, cada qual tão mimosa que havia de apreciá-las de perto.”
· Na certeza de que seus dias findam, Menezes se lança à conquista desenfreada, seus impulsos sedutores são irrefreáveis
· Narrador não considera a esposa feia, mas não vê nela os mesmos encantos de outras mulheres
· Pág.27: caracterização do pudor de D.conceição na vida íntima do casal
· Pág.30: referência crítica a uma peça teatral de Machado
· Apresentação de Pastora, sua amante, que fora deixada pelo marido
· Pág.32: comparação entre Pastora e D.Conceição, referência a Macedo
· D.Conceição se nega a satisfazer os desejos do marido: justificativa para as amantes (1ª pessoa=ponto de vista tendencioso)
· Apresentação do escrevente juramentado Soares, e da consideração que tinha por Conceição
· Apresentação do jovem rapaz, Nogueira, e da sua saída na noite da missa do galo, em pleno natal
· Menezes revela seus impulsos sedutores e descreve minúcias das circunstâncias que nos levam até o dia da missa do galo. A falecida esposa deixara-lhe relativa fortuna, e a atual se resignava as suas escapadas. Dá indicações do interesse aparentemente ingênuo do escrevente em Conceição. Da mesma forma, traça um perfil de pureza do jovem Nogueira

3)Missa do galo (Osman Lins)
· Foco narrativo: 1ª pessoa / Narrador: Nogueira
· Muda-se o enredo, mas se mantém o foco narrativo e o caráter retrospectivo do conto de Machado
· Epígrafe: ambigüidade, dúvida / Referência: O vermelho e o negro (Sthendal)
· Menezes mora com a mãe doente e a esposa, aos sábados vai inspecionar sua filial em Jaboatão, onde pernoita. No dia seguinte, ao regressar, tomará banho e levará a esposa a passear, e depois irá sozinho ao cinema. Menezes é um homem de hábitos rígidos
· Na segunda-feira, quando a mãe de Menezes vai à loja, Nogueira fica conversando sozinho com Conceição
· Noite de natal, Nogueira e Conceição na mesma situação, mas “Conceição deixou, no quarto, a aliança”.
· Pág. 49: Nogueira seduzido pela figura de Conceição
· Nogueira percebe na mulher a beleza que nem o marido conseguiria reparar, o “rosto que por um instante se revelou e que, sob a intromissão do mundo exterior, já se oculta, visão a ser lembrada, fugaz em sua essência e nunca recapturável”.
· “Não voltarei jamais a ver essa mulher, vinda, no silêncio da noite, de turvas profundezas, outra vez submersa, agora para sempre”.
· O narrador mantém a ambiguidade em relação às intenções de Conceição, mas deixa explícito o seu desejo, despertado pelos momentos desfrutados junto à senhora. Acentua-se o caráter sedutor dela, o que confere à narrativa um tom erótico e provocador.

4) Missa do galo (Julieta de Godoy Ladeira)
· Foco narrativo: 1ªpessoa / Narradora: Conceição
· Epígrafe: ironia
· Narração de caráter retrospectivo: Conceição revela que a lembrança daquela noite da missa do galo reaparece às vezes, e ela imagina se o rapaz enfim compreende o que realmente se passou
· Narradora revela que se sentia humilhada, numa atmosfera de “ódio complacente”, mas sem brigas com o marido: “Não havia ciúme, não houvera amor”.
· Pág. 57: desejo por Nogueira
· Referência: Os Maias
· Pág.59: erotismo
· Narradora: “queria-o estático, vulnerável, meu”. Pág. 61/62: a sedução do garoto é quase uma vingança, ou uma forma de se tornar novamente um objeto de desejo
· A inocência e falta de maturidade de Nogueira a fazem ver que aquele desejo era equivocado. Tenta passar para o rapaz novamente a imagem anterior. Revela uma inclinação para o gerente da firma que, após a morte do marido, o substituiria
· Conceição demonstra explicitamente seu desejo de seduzir Nogueira. Cansada do papel de submissa às traições do marido, ela faz crescer em si o desejo pelo jovem hóspede. No entanto, arrepende-se ao ver sua inocência e sua vulnerabilidade. Não consegue, ao final, enxergar o homem dentro do rapaz. A única lembrança que perdura é a do desejo.

5) Lembranças de Dona Inácia (Antonio Callado)
· Foco narrativo: 1ª pessoa (D.Inácia) e 3ª pessoa (narrador) / Discurso indireto, direto e indireto livre
· Narrador inicia contando do despertar de D.Inácia. Detrás da porta, escutará e reprovará o insinuante diálogo entre D.Conceição e Nogueira. Revela-se a figura misteriosa do homem de negro, a quem a senhora estendia a mão durante o sono
· “...neste triste mundo de que se sai um dia seguindo os negros passos do homem de sapatos pretos, de fivela” = homem de negro→morte
· Pág.69: utilização do discurso indireto livre com forma de aproximação entre a figura do narrador e a personagem
· Inácia se lembra com saudade do marido: da mesma forma que a filha, o fato de não ser um objeto de desejo traz certa frustração
· Citação: utilização de trechos do conto machadiano
· Pág.71: revelação do desejo secreto por Montezuma, a figura do escritor Machado de Assis, e a busca na memória do nome da amiga de Conceição, Capitu, que “lia a alma dos homens como outros lêem o Correio Mercantil”
· A vista ao senado na companhia do escritor, que a colocou “sossegada, na consoladora contemplação do desconsolo que é toda vida humana”
· Pág. 74: frustração de D.Inácia
· A misteriosa figura do homem de preto que levanta a cortina para todos passarem = separação entre vida e morte, realidade e ficção → “Só não passava o moço, escritor e cicerone, (...) ao curvar-se em despedida, mas cumprindo, sereno, seu dever de ficar”.
· Machado se torna personagem. A figura de negro transpõe a todos para o lado oposta à figura do escritor. Ou ela traz todos à vida, ou leva a todos para a morte. →ficção engendra a vida
· D.Inácia, meio sonolenta, relembra momentos que passara com o marido Veiga, o desejo secreto por Montezuma, além de introduzir na narrativa a figura de Capitu, personagem de D.Casmurro, enquanto ouve e observa sua filha e Nogueira conversando.

6)Missa do galo (Ligia Fagundes Telles)
· Foco narrativo: 1ª pessoa / Narradora: Leitora do conto
· A narradora se coloca como espectadora e analisao comportamento das personagens de Missa do galo
· Epígrafe: o silêncio= contenção de palavras, excesso de palavras, falta de palavras = sedução
· “Também me foge, inatingível, ele e os outros. Sem alterar as superfícies tão inocentes como essa noite diante do que vai acontecer. E do que não vai – precisamente o que não acontece é que me inquieta.”. = narradora refere-se à ambigüidade e à falta do ápice da sedução
· pág.100: narradora tenta entender o que se passa com Nogueira
· pág.101: a importância dos silêncios no jogo de sedução
· pág.102: utilização do discurso indireto livre para se manifestar o rancor de D.Inácia por Menezes
· relação entre Menezes e a mulata
· narradora procura preencher o oco de sua própria verdade, que ela não sabe se é mais verdadeira= cada leitor terá sua interpretação para aquela noite, “matéria imperecível no bojo do Tempo”ao analisar o comportamento e as personagens do conto, a narradora se coloca como leitora/espectadora, ansiando por respostas para a ambigüidade das reações, das palavras e dos silêncios de Nogueira e Conceição. Recupera-se a dúvida do texto, mas se mantém a falta de respostas .

7) Missa do galo (mote alheio e voltas) (Autran Dourado)
· Foco narrativo: 3ªpessoa / narrador
· Epígrafe: procura de respostas para a conversação da noite da missa do galo
· O conto focará o ponto de vista do escrevente juramentado Joaquim Fontainha Távora, que herdara, além dos bens e do posto de Menezes, sua esposa
· Conceição sempre procurava insinuar que fora ela o “general do triunfo” de Távora
· Conceição, depois da morte do marido, passara a aperfeiçoar suas artes de sedução e a dizer abertamente seus desejos: “Vivo, o Menezes certamente não a reconheceria nessas curvas e maquinações”
· Foram obrigados a se mudar quando picharam na parede da residência “Cartório Távora, Antigo Menezes”
· Pág.85: “vingança” de Conceição
· Conceição revela detalhes da noite da missa do galo ao atual marido. Numa das vezes em quem ela chegara até a porta, entreabriu o roupão, “certa de que ele não a via, querendo que ele a visse”
· “Era um jogo de silêncios e contenções. Falaria por semáforas, gestos e posturas, reticências e insinuações, nada mais”.= mantém-se o jogo de sedução
· Conceição confessa abertamente seu interesse: pág.90
· Conceição usa seu desejo para fazer com que Nogueira a visse bela. Num momento de torpor do garoto, Conceição dá-lhe lentamente um beijo
· Pág.94: reação de Távora e revelação do antigo caso entre ele e Conceição
· Enfoca-se como Távora herdou os bens e a esposa de Menezes, às custas de esperas e paciência. Conceição, depois da morte do marido, desenvolve e mostra seu lado sensual sem pudor, e com artimanhas e trejeitos, vive a atiçar o ciúme no marido. Ela lhe conta o episódio da missa do galo ressaltando seu lado sedutor. Távora já substituía Menezes em vida, no leito conjugal. No dia da missa, Conceição o dispensara, e ele encontra casualmente o desconsolado Menezes na igreja- a amante também fizera o mesmo com ele.

10 comentários:

Francine disse...

Olá! Sou concluinte do curso de Letras, e estou elaborando meu TCC com base na ambientação do conto MG. Ainda não tinha encontrado tantas referências, muito menos a versão do próprio Osman Lins (teórico que utilizo para a questão do ambiente). Gostaria de ter mais informações... como as referências utilizadas para este interessante post! Sei que a publicação é antiga, mas se puderem entrar em contato comigo, agradeceria imensamente! =D (meu e-mail é francine.sanchez@yahoo.com.br)
Muito obrigada! E parabéns pelo blog! Agradou-me!

Anônimo disse...

Parabéns pelo blog!!
estou fazendo um trabalho do livro e pude aproveitar bastante.. continuem sempre contribuindo conosco nos trabalhos escolares!!

Anônimo disse...

bá mto bom esse conto!!!
eu gostei mto
{dívuuga aee bone da corcunda}

gabriel+B.D.C disse...

d[ivulgááá bonde da corcunda
é nóís !!!!!
mto bom esse conto!!!!

Anônimo disse...

Mt boa sua análise !
vai me ajudar mt na minha prova (:

Andre disse...

ANDRÉ COSTA GUAJARÁ-MIRIM RO, SOU ACADÊMICO DE LETRAS E O MATERIAL QUE ACHEI AQUI, FOI IMPORTANTÍSSIMO PARA A CONCLUSÃO DO MEU TRABALHO .PARABÉNS.

Anônimo disse...

Olá, sou estudante de Letras e seu trabalho me ajudou muito para poder entender melhor as diversas "visões" de um mesmo conto.
obrigada

JONATAS@SOUEUMESMO disse...

EU SOU O METRE

leticia disse...

Olá! Sou Leticia estudante do 9° ano, gostaria de saber, se vocês poderiam me ajudar a descobrir quais são as características linguísticas de Missa do Galo, por exemplo onde esta a parte ironica(...), desde já agradeço

leticia disse...

Olá! Sou Leticia estudante do 9° ano, gostaria de saber, se vocês poderiam me ajudar a descobrir quais são as características linguísticas de Missa do Galo, por exemplo onde esta a parte ironica(...), desde já agradeço